por
maio 8, 2019 | Tecnologia e inovação | Reading Time: 4 minutes

Foi constatado que o impacto do Turismo nas emissões de gases do efeito estufa é quatro vezes maior que o esperado. Isso, junto com a nova geração de viajantes eco-friendly, gerou uma demanda crescente de práticas de sustentabilidade na hotelaria.

Essa não é uma visão idealista, mas a realidade de uma mercado em adaptação. Já falamos sobre a importância de uma gestão sensível à questões de sustentabilidade, já que 68% dos turistas preferem acomodações ecológicas.

Esse tipo de atitude está fazendo surgir novas práticas de sustentabilidade em hotéis, além das já consolidadas no mercado. Feito anualmente, O Green Lodging Trends Report entrevistou mais de 4.500 hotéis de 61 países diferentes, para avaliar as principais práticas de sustentabilidade na hotelaria mundial.

As melhores ações, apresentadas no relatório, você confere em seguida:

⚡️ Gestão de energia para hotéis

Termostato digital em hotéis

No Young Hoteliers Summit, organizado pelos estudantes da Escola de Hotelaria de Lausanne (EHL), especialistas concordaram que, atualmente, as tendências de sustentabilidade em hotéis estão focadas na gestão de água e energia.

A energia sustentável e renovável é também o tema foco do relatório de Inovação Global de 2018, que apontou a Suíça como o país mais inovador do planeta, onde fica, não tão coincidentemente assim, a EHL.

De acordo com o Green Lodging Report, as práticas mais comuns em hotéis, no quesito de gestão energética, são:

  • Substituição dos termostatos manuais pelos digitais;
  • Sensores de ocupação nos quartos;
  • Troca de lâmpadas comuns para as de LED;
  • Preferência por aparelhos de alta eficiência.

Em casos mais específicos, que o relatório chama de “práticas emergentes”, alguns hotéis estão optando por janelas com características refletoras / isolantes e envidraçamento de baixa emissividade (que irradiam menos calor), para reduzir o aquecimento e resfriamento em ambientes interiores.

Ainda, em alguns países desenvolvidos como a Noruega, os hotéis estão oferecendo estacionamento gratuito para hóspedes com veículos elétricos, junto com estações de carregamento.

Dos entrevistados, 69% encorajam os hóspedes a usarem transporte sustentável, com bicicletários no local e VT para transporte público.

Uma prática inovadora que está bombando no cenário mundial é o uso da energia solar. O custo de aquisição de painéis solares está diminuindo e alguns governos promovem o uso através de incentivos financeiros.

No Green Report, 21% dos hotéis utilizam algum tipo de energia sustentável no local, sendo a solar a mais popular, mas também, em menor número, a eólica e geotérmica.

Práticas de sustentabilidade no Coco Beach Resort

Coco Beach Island Resort – Iraya Hilltop room

No entanto, nem sempre economia é sinônimo de tecnologia. A arquitetura dos quartos também têm um papel importante, e alguns hotéis estão se adaptando a ambientes mais arejados, com janelas grandes para circulação do ar e entrada de luz natural, diminuindo o uso de ar-condicionado e o tempo de luz ligada.

? Gestão de água para hotéis

Na hotelaria, as práticas mais comuns de gestão sustentável da água são:

  • Sanitários, torneiras e chuveiros mais eficientes;
  • Sistemas automáticos de irrigação inteligente;
  • Captura de água da chuva;
  • Tratamento e reutilização da água.

A água cinza resulta de processos domésticos como lavar louça, roupa e tomar banho e corresponde a mais de 60% do esgoto residencial. Então, o que muitos meios de hospedagem fazem, principalmente os resorts, é reduzir o consumo de água potável e substituí-la por água cinza.

Tratamento de água no Costão do Santinho Resort

Claro que essa água passa por tratamento primeiro. Algumas propriedades até possuem estações de tratamento no local, como o Costão do Santinho Resort, em Florianópolis, que reutiliza 100% da água tratada. A estação é uma das mais modernas do Sul do Brasil, e o índice de potabilidade da água descontaminada é de 98%.

A água cinza também pode ser usada para irrigação de jardins, mas sem desperdícios, já que alguns sistemas automáticos de irrigação vêm com sensores inteligentes que pausam o funcionamento durante e depois de chuvas.

Com a redução, vêm a economia. O QO Amsterdam Hotel, por exemplo, reduziu em 42% o consumo de água potável reutilizando a “água cinza”.

Metas de sustentabilidade na hotelaria

Como dito anteriormente, a pegada de carbono do Turismo é quatro vezes maior que o esperado. Essa mesma pesquisa apontou o setor como responsável por cerca de 8% das emissões globais de gases do efeito estufa:

“Projetamos que, devido à sua alta intensidade de carbono e crescimento contínuo, o turismo constituirá uma parte crescente das emissões mundiais de gases do efeito estufa.”

Não é apenas um serviço, mas toda a cadeia produtiva ligada ao setor, do transporte dos turistas até a oferta de alimentos e bebidas, que contribui para essa elevada pegada de carbono.

Por causa disso, tem-se discutido e produzido muitos relatórios que ajudam a quantificar esse cenário e a estabelecer práticas de sustentabilidade na hotelaria que minimizem o impacto.

Nessa linha, em novembro de 2017, foi divulgado o Relatório Global de Descarbonização na Hotelaria, produzido pela International Tourism Partnership, para alinhar o setor com o Acordo de Paris de 2015, do qual o Brasil é signatário.

De acordo com o relatório, para atingir a meta estabelecida pelos cientistas, a hotelaria teria que reduzir em 66% a emissão de gases do efeito estufa até 2030, e 90% até 2050.

O que o seu hotel tem feito para contribuir nessa meta?!

Leave your comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share this